Pesquisar este blog

sábado, 29 de setembro de 2012

LULA DIZ QUE NÃO CONSEGUE VENDER HADDAD. Será que o candidato foi embrulhado em folhas de jornal com as notícias do Mensalão? Êta poste duro de vender!


LULA NA FOLHA DE SÃO PAULO:

"Algo está errado. E o que é o algo que está errado? Certamente somos nós, que não estamos conseguindo vender o nosso candidato com a grandeza que ele tem".

Cada um acredita no que quer. Mas acho que Lula superestima Fernando Haddad e subestima a inteligência do povo de São Paulo; assim como tentou diminuir a importância criminosa do Mensalão, primeiro ao negá-lo, depois a dizer que era só coisa de caixa dois. 

Vagarosa, mas concretamente, a verdade começa a aparecer.

O Mensalão existiu, prova-o o julgamento no STF. E Haddad, sendo do PT assume bônus e ônus, é claro.

Ou queria apenas faturar a visitinha à casa de Paulo Maluf?

CÂNCER LEVA HEBE CAMARGO AOS 83 ANOS. Com a artista segue junto uma grande parte da história do rádio e da TV no Brasil.

"Não tenho medo da palavra câncer.
Tenho pena de morrer, não medo."
(Hebe Camargo)





DESCANSE EM PAZ - 1929 - 2012

HEBE E IVON CURI




HEBE E AGNALDO RAYOL


IMAGENS DA INTERNET




sexta-feira, 28 de setembro de 2012

CRISTINA KIRCHNER LANÇA AS GARRAS SOBRE A LIBERDADE DE IMPRENSA. LA LOCA DE LA CASA ROSADA NÃO GOSTA DO JORNALISMO LIVRE.


FOTO: Paul J. Richards / AFP (Abril)


A proto-ditadora argentina Cristina Kirchner disse coisas de pasmar sobre como ela vê  a função da imprensa para estudantes de Nova York esta semana. Nem Hugo Chávez, ou Fidel Castro ou alguém da dinastia norte-coreana diriam melhor.

Neste ponto do julgamento do Mensalão, creio que alguns altos dirigentes petistas - que têm mania de perseguição, e de considerar que seus crimes são virtudes, também poderiam dizer tais absurdos. Aliás, alguns já andaram falando bobagens semelhantes no plenário do Congresso Nacional.

No tempo das ditaduras militares, em qualquer país da América Latina, um pronunciamento tão imbecil, que demonstra tanta truculência e ódio à liberdade de expressão, à imprensa e à critica, os movimentos estudantis estariam protestando com imenso furor. Hoje em dia, nestes tempos vis, os ditos ou supostos representantes dos estudantes do Brasil mamam milhões às sombras do poder e, secretamente, apóiam um pronunciamento tão selvagem como o de Kirchner. Quem cala,  consente. 

Segundo as matérias, “em uma contínua investida contra a imprensa argentina, a presidente Cristina Kirchner disse que ‘não há jornalismo independente no mundo’ e que seu trabalho não é falar com repórteres.

“Não há jornalismo independente no mundo. No meu país, não há imprensa independente ou objetiva”, disse ela aos estudantes. “Nós, os governantes, não estamos aí para dar coletivas de imprensa”, continuou. Pelo visto, ela não acha que deve satisfações ao povo. Está bem acima dele.

Os relatos da imprensa não nos esclarecem sobre se os tais estudantes não a questionaram ou a ouviram bovinamente e a aplaudiram ao final. Creio que isto é que deve ter acontecido, pois os jornais americanos como o New York Times e outros, outrora tão combativos, hoje parecem diários oficiais do governo Obama.

Nada muito diferente do que ocorre em muitos países, inclusive no Brasil,onde centenas de veículos são regados com verbas de propaganda oficial e de empresas públicas e estatais.

Por tal motivo é que me surpreende que ela se queixe dos jornais que a perseguiriam tanto. De modo geral, assim como no Brasil, e outros paises, as redações são dominantemente de esquerda, com uma visão de natureza politicamente correta que, ela sim, perdeu a objetividade e o faro jornalístico.

Como a esquerda, no caso da brasileira, é um tipo de seita, vê o mundo por uma ótica torta, tudo o que fazem é justo, certo, correto e bom. Mesmo o mais errado e abominável, pois os fins justificariam os meios empregados. Kirchner, ligada ao peronismo fascista argentino em nada difere dessa postura, pois o mundo é dividido entre eles e nós.

Se a imprensa critica, ou investiga, só pode ser por interesse do outro lado. Dos adversários. Eles não imaginam a possibilidade de existir um interesse geral, coletivo, público, universal, que se imponha a todos.

É por tal razão que o julgamento do Mensalão, um julgamento comum de crimes cometidos contra o interesse público, é visto pela esquerda como heresia, e ideologizado. Não, criminosos são julgados como criminosos, e condenados como criminosos. Só isso.

Sempre ouvi que os argentinos eram muito cultos e civilizados e, especialmente, politizados. Briguentos, sem dúvida. Durante a ditadura militar deles morreram mais de 30 mil. Aqui nem 500. Lamentável de qualquer modo. Mas isso mostra o grau de atitude deles.

Contudo, mesmo assim, elegem, após a volta do regime democrático a uns peronistas fascistas e que desprezam a liberdade, a tanto custo conseguida. E mal protestam, e ainda assistem ao massacre do que resta da imprensa livre do país quase em silêncio.

Isso realmente é um mistério para mim.

O SER HUMANO É MUITO MAIS LOUCO QUE AS FORMIGAS. Compra cuecas sujas, vende a virgindade, ou acha que a lei é para os outros. Você concorda?



O cantor e compositor Eric Clapton colocou um relógio de platina em leilão, com lance inicial de quatro milhões de dólares. Um amigo comentou: ”o que leva alguém a pagar 4 milhões de dólares por um relógio?” Boa pergunta. Mas o leilão será um sucesso.

O jogador do Santos FC, Neymar, foi parar na cruz, como um Cristo, na capa da revista Placar.

Recentemente foi leiloada uma cueca suja de Elvis Presley. E ela só terá valor se for conservada assim para todo o sempre. Alguém se habilita?

Na cidade de Santos, SP, um aluno rola no chão com uma professora por conta de não gostar da nota que recebeu de inglês.

Decepcionado leio que uma garota de Santa Catarina entrou num leilão internacional para atingir o maior valor possível... por sua virgindade. Se ela era virgem por convicção, talvez pretendesse deixar de sê-lo quando encontrasse seu príncipe encantado.

Qual nada, alguma coisa no caminho a fez mudar de idéia. Quem saber? Com o dinheiro, que pode ser o equivalente a algumas centenas de milhares de dólares, ela diz que construirá casas populares. A bondade encontra tantos caminhos esquisitos para se manifestar...

Uma garotinha de 13 ou 14 anos quer dar lições ao mundo pelo Facebook. Temo que seus pais acabem criando um pequeno monstro.

Outra, maiorzinha, entrou em algum livro de recordes por haver, vejam só, feito a primeira tatuagem anal do Mundo.

Centenas de milhares de enfurecidos islâmicos vão às ruas fazer quebra-quebra por conta de um filme vagabundo que nem precisam ver. E alguns ainda dariam prêmio em dinheiro pela morte do autor.

Um sujeito, em SP, com  ciúme ou bronca da ex-mulher paga para dois sujeitos darem um susto na moça. Como os dois tarados gostam de cumprir os tratos à risca degolam a moça e a abandonam em um carro na rua.

A louca da Casa Rosada, Critina, abreviando o S, como fazem os argentinos de Buenos Aires, diz que a imprensa é desnecessária, e que governantes não devem perder tempo concedendo entrevistas coletivas.

O problema dela não é com a imprensa. Ela acredita que não deve satisfações aos argentinos. Cretina.

No Brasil, onde o STF ameaça fazer cumprir a Lei e condenar criminosos, a coisa ainda parece algo meio estranho para muitos, que nunca conseguem entender que a Lei deve ser aplicada a todos, em sua universalidade, e não por parcialidade. Um ex-presidente (!) é um dos mais inconformados.

Lobato, um dos maiores escritores brasileiros, deve ser punido, em 2012, porque escrevia, em 1930 como era comum naqueles tempos. Logo tribunais inquisitoriais fascistas politicamente corretos e ativistas implicarão com Platão e Aristóteles, ou Sócrates. Tudo em nome da liberdade e da liberdade de expressão.

No Brasil, onde a economia se derrete lentamente, o ministro das Finanças é Mantega.

Dessa colcha de retalhos, que resulta de uma passada rápida de olhos pelos sites de informação na Internet, salta a impressão de que o antropólogo Edgar Morin é que tinha razão ao dizer que o nome correto do homem deveria ser Homo Sapiens Demens.

Não leio nada sobre essas barbaridades, bizarrices, ou loucuras, quando se trata de formigas, macacos ou cães e gatos.

O ser humano é, realmente, muito estranho.





EVOLUÇÃO SAPIENS
http://www.gambassa.com/gambassafiles/images/images/kshaw/homo_sapiens_v1.png

SAPIENS RETORNANDO

REVISTA PLACAR OFENDE O CRISTIANISMO E TRANSFORMA NEYMAR EM JESUS. Quando aprenderemos a boicotar os que ofendem a fé?



Neymar, o Messias

FELIPE MELO

Recentemente, uma série de distúrbios seriíssimos estourou no Oriente Médio e cercanias em virtude de um filme caseiro que fazia troça de Maomé e dos muçulmanos. Aproximadamente uma centena de pessoas foram mortas nos protestos que rasgaram o mundo islâmico – inclusive o então embaixador dos Estados Unidos na Líbia, Chris Stevens –, centenas de milhares de pessoas foram mobilizadas por clérigos islâmicos para mostrar a sua revolta de modo sangrento, e os velhos discursos contra o “Grande Satã” do Ocidente ecoaram novamente com força total. Curiosamente, a tradução e divulgação do filme no mundo islâmico foi promovida justamente por grupos radicais.

A celeuma estava pronta. Diversas lideranças mundiais condenaram tanto o filme (bobo e de muito mau gosto) quanto sua instrumentalização pelos líderes islâmicos, o diretor do filmeco teve o nome e o endereço divulgado pelas autoridades americanas, diversas ações judiciais correram o mundo, inclusive no Brasil, para proibir seu acesso, e, como sói acontecer, a turma de plantão do pluralismo e tolerância rosnou junto com os radicais.

Essa, senhoras e senhores, é a capa da edição de outubro da revista Placar. Para qualquer pessoa com um mínimo de senso das coisas, essa capa parece desnecessariamente apelativa. Por quê? Ela nivela duas figuras essencial e completamente diferentes: endeusa alguém à custa da secularização de Alguém que, para 1/3 do gênero humano, é Deus feito homem. Comparar Neymar a Jesus Cristo, sobretudo da forma como isso foi feito, é, no mínimo, uma maneira bastante discutível de aumentar as vendas de uma revista – o que parece ser o único desejo da editora em questão. Para muitas pessoas, e eu me incluo nessa conta, essa capa não é apenas inadequada, mas despropositadamente ofensiva.

Decerto não veremos o Papa Bento XVI ou qualquer outro líder cristão de importância mundial conclamando uma guerra santa contra a revista, nem haverá aglomerações de pessoas em passeata atirando para o alto e atacando a polícia, muito menos matando qualquer pessoa, por conta dessa capa lamentável. Mas engana-se quem pensa que devemos ficar simplesmente passivos diante de algo aparentemente sem importância: é nosso direito – e, sobretudo àqueles que abraçam a fé cristã, um dever – manifestar nosso repúdio.

Acessem a página da revista Placar (http://placar.abril.com.br/neymar/noticias/neymar-e-cai-cai-saiba-tudo-sobre-a-polemica-placar-de-outubro.html) em que se encontra a notícia da capa e deixem seu comentário.

Divulguem para outras pessoas e peçam que façam o mesmo. Não deixem isso passar em branco. E vamos esperar para ver se nossos amigos politicamente corretos dedicarão suas excelsas atenções a esse fato.

TEXTO DO BLOG JUVENTUDE CONSERVADORA DA UNB:
http://unbconservadora.blogspot.com.br/

SÃO PAULO: QUEM PESA MAIS? O POSTE HADDAD OU LULA E O MENSALÃO?


DATA FOLHA, 27 DE SETEMBRO:

RUSSOMANO:  30%

SERRA: 22%

HADDAD: 18% 


O segundo turno vem aí, com Serra. 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

DEMOCRACIA NÃO COMBINA COM CENSURA. CENSURA COMBINA COM DITADURA. Ainda temos muito que aprender pela frente...

http://www.sponholz.arq.br/html/index_charge_19.html

E O SAPO NÃO VIROU PRÍNCIPE. Serra beijado na boca por admiradora em campanha de rua em SP.

José Serra, que deverá estar no segundo turno das eleições em São Paulo, apesar do esforço contrário de alguns institutos de pesquisa, levou um susto hoje ao ser beijado na boca por uma fã e eleitora. A moça o agarrou e tascou-lhe um beijo que o deixou atônito.

O susto de Serra, pego em absoluta surpresa, provocou o riso entre os que o acompanhavam. Foi um momento de descontração, pelo que se vê no que foi publicado no site Terra. 

Comentários do povaréu: "E o sapo não virou príncipe", "Logo a moça estará no Pânico". Chalita, Haddad e Russomano morreram de inveja. 

Haddad foi queixar-se com Lula, Marta e Maluf.
Russomano foi contar tudo para o bispo Macedo. 
Chalita, coitado, chorou sozinho, esquecido, mas de olho em um ministério em Brasília.   




Fotos: Fernando Cavalcanti/ Milenar/BBC


O FACEBOOK: A FÁBRICA DE MONSTROS. Ou, "alguém peidou aqui do meu lado”. A face sombria das redes de relacionamento.




“Minha escola não oferece lanches adequados ao meu estômago”.

“Meu país precisa de mais liberdade”.

“Comprei uma panela de pressão maravilhosa para fazer ensopados”.

“Vejam como o meu cachorro é bonitinho”.

“Eu e ela em Cancun”.

“Acordei mal hoje e tomei um Lexotan”.

“O Facebook vai levar a democracia aos paises árabes”.

“Peidei, mas não fui eu”, diria o Lobão.

São demandas diferentes, mas tudo é nivelado pela chamada mídia quando vira notícia. O Facebook é uma realidade estranha. De algum modo, por algum motivo, creio que seja superestimado, mas produz certamente os seus efeitos. 

Nada mais parece acontecer no mundo que não seja comentado no Facebook. E, tudo que faz barulho no Facebook vira notícia na mídia. É uma coisa de doido.

Assessorias de comunicação, apatetadas, rastreiam o Facebook como se fossem vigias analisando o horizonte à procura de bandeiras piratas: “perigo à vista”. Candidatos postam frases que julgam inteligentes, tanto no Facebook como no Twitter, e julgam-se eleitos. Pobres coitados.

As pessoas descobriram novos brinquedos. Além do já clássico e insubstituível celular, ora na versão smartphone. Ninguém mais olha para o rosto do próximo, mergulhados no poço de segredos e atrações que hoje é retangular e luminoso.

Qual a serventia das novas tecnologias de comunicação? Comunicar, por óbvio. Mas as pessoas estão deslumbradas. Elas berram aqui na esquina e são ouvidas no outro lado do mundo. Ou imaginam que isso aconteça de verdade.

É claro que a maioria jamais sairá do anonimato em que se encontra. Apenas alguns sortudos ou espertos conseguem escapar da espuma comunicativa e fixar-se como craca no rochedo da perenidade fugaz. Uns dez dias, está bem? Depois o esquecimento eterno.

GERANDO MONTRINHOS

Com isso tudo passamos a perceber que certas coisas que são feitas e aplaudidas não chegam a ser bem ponderadas. O Facebook pode estar gerando monstrinhos imaturos, estimulados por papai e mamãe gansos.

O senhor deixaria a sua filha devassar os segredos de seu lar?

“Papai peida alto e fedido enquanto janta.
 Mamãe arrota azedo quando fala com as pessoas. 
 Minha avó tem caspas e cospe no chão. 
 Vovô nunca puxa a descarga e ainda limpa o nariz com a unha do dedo mindinho.”

Casa de monstros? Não. Talvez um certo exagero, mas não deve ser muito diferente da casa de todo mundo. Sempre há algum que extrapola um pouco. Ou não faz alguma coisa do modo correto e educado.

“Meu pai nunca atende o telefone porque sempre está com as contas atrasadas”; "minha mãe, toda vez que acaba de falar com uma amiga diz : __”Era a chata da Aninha"....”; “Meu irmão mais velho é um pentelho que acha que sabe tudo”, ou  “minha irmã mais nova tem ataques histéricos quando é contrariada”.

Já imaginaram se tudo o que acontece na sua casa fosse parar direto, sem filtragem, no Facebook? O senhor não iria gostar, não é? De certa forma a coisa funciona como nos jornais de sindicato, de empresas e outros veículos voltados para Relações Públicas. Propaganda. Ninguém usa um veículo próprio para falar mal de si mesmo.

PEQUENOS JUSTICEIROS 

Pois é, então imagine a situação das escolas que agora estão começando a virar alvos de pequenos justiceiros que, sem medir consequências, pela falta de maturidade das crianças, escracham tudo o que encontram pela frente. 

Ao invés dos problemas serem discutidos internamente, não para o abafa, mas para a solução correta, a coisa alcança o mundo. E para quê? Para consertar uma torneira que pinga; para pedir alguns livros mais na biblioteca. Dizer que no banheiro falta papel higiênico. Professores começam a sofrer com esse assédio. É uma desmesura.

Não, não estou contra que crianças aprendam a andar com as próprias pernas, e nem que deixem de desenvolver o tal tão estimado espírito critico. Mas não está faltando ponderação? Limite? Adequação.

Já há mães ofendidas porque seus pimpolhos estão começando a ser hostilizados entre os coleguinhas e, então, as próprias mães começam a criticar os pais das outras crianças, etc... Não parece uma roda viva? Crianças imaturas emocionalmente e intelectualmente começam a ser procuradas pela imprensa para dar palpites primeiro sobre a própria escola, depois o trabalho do prefeito, depois a escalação da seleção, depois a guerra na Síria, depois se acha que Obama é mesmo islâmico ou se Lula foi realmente o chefe do Mensalão.

 “Maricota, o que você achou do depoimento do ministro indicado ao STF  no Senado ontem”? E os pauteiros deslumbrados associam-se a crianças de ego inflado que não conseguem mais sair do noticiário. E serão obrigadas a falar sobre tudo... 

Creio que nada disso resultará em coisa muito boa. 

Agora me dêem licença que tenho que sair. Alguém soltou um pum aqui do meu lado.



FOTO DE LOBÃO COM A CAMISETA:
http://4.bp.blogspot.com/_iRkpmV4yl7g/RwEKwHP0ouI/AAAAAAAADJY/bN5Bw9rN-Sk/s400/lob%25C3%25A3o-argosfoto.jpg

MALUF CONVOCA OS ALIADOS. Ele deve estar certo. Ou, não?

MAIS UMA OBRA DE MALUF



PAULO MALUF APÓIA FERNANDO HADDAD EM SÃO PAULO

JOAQUIM BARBOSA E O MENSALÃO. Ainda há juízes em Brasília.






Ilustrações do blog Graça no País das Maravilhas
Charge Sponholz


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

SENADOR JORGE VIANA (PT-AC) FAZ DISCURSO ESTRANHO NO SENADO. Em país um pouco mais sério talvez fosse dar explicações na Justiça.


JORGE VIANA FALANDO (PARA O VAZIO)
ESQUISITICES SOBRE OS MINISTROS DO STF.
Discursando para um plenário esvaziado, como quase sempre, Jorge Viana disse que os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) que julgam o mensalão sofrem influência da mídia:  “Só não vale nossos governos indicarem ministros do Supremo e eles chegarem lá e votarem contra por pressão da imprensa”, bradou para o nada.

Contei até dez para poder refletir melhor e saber se havia entendido bem o que disse o nobre senador. Como alguns ministros do Supremo foram indicados pelo governo petista eles teriam a obrigação de votar sempre pela absolvição de acusados ligados ao governo?

Posso estar ficando confuso, mas creio que o nobre senador é que demonstra não entender bem o papel da nomeação de um ministro do STF. Não, senador, um ministro não é um empregado do governo. É um membro de um poder independente.

Não sei se o senador imaginou que os ministros teriam ficado devendo alguma coisa ao presidente Lula ou a Dilma, ou a FHC, por haverem sido indicados para o cargo. Como se a nomeação tivesse ocorrido num balcão de negócios, ou num mercado persa.

Não é assim, não, senador. Ainda bem.

O julgamento do Mensalão demonstra que ainda há juízes no Brasil.

IMAGEM:
http://oglobo.globo.com/pais/

JUSTIÇA PAULISTA PROÍBE FILME QUE SATIRIZA ISLAMISMO. O que temos no Brasil: o império da Constituição ou a Sharia? Também não gosto quando a Cruz é ofendida, mas nunca pedi censura ou sai quebrando propriedades públicas ou privadas. Nem ofereci dinheiro para assassinarem alguém, como está no noticiário. Não é um caminho decente e moral. Além de tudo, é inconstitucional.


NO BRASIL, PEDIDO DE CENSURA. EM ALGUNS PAÍSES
VIOLÊNCIA EXTREMA. 

Leio, incrédulo, que o Poder Judiciário de SP (TJ-SP) concedeu liminar determinando ao site YouTube a retirada de vídeos que contenham cenas do filme “Inocência dos Muçulmanos”.

O pedido partiu da União Nacional das Entidades Islâmicas (UNI). Essa decisão judicial, apesar de advinda do Judiciário, por óbvio, fere frontalmente a nossa Constituição. É uma temeridade quando juízes tentam fazer ou refazer as leis.

Parece que passamos por um período onde todo mundo fala de liberdade, mas quando ela é exercida pelo outro, sacamos logo de nossa espada de cortar línguas, ou pescoços.

O deputado federal Protógenes Queiroz (PC do B – SP)  não gostou do filme do urso Ted e logo postou nota no Twitter pela censura ao filme. Não vi o filme. Não o assistirei. Foi isso que aprendi com meus pais.

O deputado federal José Guimarães (PT-CE) é notícia outra vez, mas agora por insistir em que a “mídia” (assim a imprensa é chamada pelos esquerdistas) deve ser controlada. Não sei bem em que o nobre deputado pensa quando fala em controle. Penso que, sendo ele deputado, deva conhecer bem a Constituição do pais pelo qual cumpre mandato.

Notem, leitores, ambos são deputados federais. Legisladores. Precisam fazer a lição de casa. Ou não?

IRMÃOS ISLÂMICOS

Como brasileiro tenho algumas ponderações aos irmãos brasileiros da UNI.

Não seria melhor organizar uma marcha contra o filme? Não seria melhor publicar textos com a sua desaprovação ao filme? Não seria melhor pedirem para que os islâmicos ou qualquer outro cidadão não vissem o filme? Eu atenderia prontamente ao chamado. 

O filme é mesmo amador e mal feito, verdadeiramente “trash”, mas poderia ser uma superprodução de Hollywood. Isso não faz diferença. De qualquer maneira, não faz sentido proibir que seja visto.

Mesmo porque nenhuma parcela da sociedade tem o direito de vetar o acesso aos outros segmentos da sociedade a qualquer coisa. Usar os próprios valores como filtro e não ver o filme ou pedir que os outros não o vejam é muito diferente, em termos de princípio, que impedir que os outros o vejam.

Aí está toda a diferença entre uma visão de sociedade livre e outra de um conjunto autoritário ou totalitário. Estamos no Brasil, país plural, não no Irã, por exemplo, onde os aiatolás decidem o que o povo pode ou não ver. E se o povo iraniano aceita isso, ótimo, faz parte de seus valores. E é preciso notar que lá quase não há membros de outras religiões. Mas aqui temos uma Constituição muito clara; e ela deveria ser respeitada.

Por exemplo, se eu não concordo com verdades contidas no Corão, não as levo em conta. Não saio por aí pedindo que a Justiça recolha os volumes existentes ou proíba a sua impressão ou a venda.  

Informo que tenho o Corão. Tenho a Bíblia. Tenho o Livro Vermelho de Mão Tse Tung. Tenho o Livro Verde de Kadafi. Já li Mein Kampf e O Capital. E os li, realmente.

Sou, como milhões de brasileiros, de origem cristã, católica, mas nunca passou pela minha cabeça, pois fui educado para viver em uma sociedade livre, pluralista e democrática, censurar algum livro, um filme, uma música, uma escultura, uma charge, uma pintura, uma peça de teatro, ou um livro de filosofia ou religião, por exemplo, por mais que me desagradasse ou parecesse ofensivo.

Nem me passaria pela cabeça pagar um prêmio em dinheiro para que alguém fosse morto por haver dirigido um filme, por pior e mais mentiroso que fosse. 

Abro exceção apenas para o caso de crimes; mas para tais casos existe exatamente a Justiça e o Código Penal.

QUANDO SOMOS FORTES

Somos fortes quando aprendemos a respeitar os outros, mesmo aqueles que aparentemente não nos respeitam. Reprovo que um diretor de um filme seja morto, em nome da religião, como aconteceu com o holandês Theo Van Gogh.

Reprovo que um escritor seja perseguido, e tenha sua cabeça posta a prêmio, por haver escrito um livro que não foi bem recebido por religiosos conservadores. Falo de Salman Rushdie.

Não concordo que seja necessário tentar matar alguém que faz uma charge em jornal como o desenhista dinamarquês Kurt Westergaard.

Não concordo quando um ministro de estado, como o de Ferrovias do Paquistão,  oferece 100 mil dólares para que matem o diretor do filme “Innocence of Muslims” . 

Esse ministro deveria envergonhar os verdadeiros islâmicos e reprovado publicamente aqui no Brasil. Ou não?

Confesso que esperaria mais abertura de uma comunidade como a islâmica do Brasil. Não o apelo à censura, mesmo porque a Constituição diz que ela não existe no nosso País.

Li sobre a manifestação que fizeram sobre o filme no Sul. Isso teria sido o suficiente para marcar uma posição. O recado foi dado. Ao pedirem a censura do filme agem como se fossem meus mestres, meus guias, meus tutores, ou do conjunto da população brasileira. Não são. 

Impedem que os outros vejam por si mesmos o que quiserem.

É pela educação que vocês devem fortalecer seus filhos. Que eles adotem seus valores religiosos. Qual o problema? Nenhum. O Brasil é um país plural, mestiço, onde etnias e credos se fundiram. Mas não impeçam os demais membros da sociedade de fazerem seu próprio julgamento.

O pedido de censura é como queimar livros em praça pública. Apenas não faz fumaça. Aprendi com meu pai aquela diretriz: “defenda a liberdade do outro exprimir seu pensamento, mesmo que isso custe a sua própria vida”.  

A fortaleza não está em erguer muros e mordaças, mas em construir vontades firmes.
Vontades firmes não podem ser quebradas por filmes vagabundos. O demônio atenta sempre. Não tenham medo de enfrentar o demônio.   

Ficaria muito feliz se voltassem atrás no pedido feito à Justiça.

Ficaria muito feliz em juntar forças com vocês e dizer aos outros brasileiros: “Não assistam Inocência dos Muçulmanos, é um lixo, um filme vagabundo e mentiroso”. 

Ficaria muito feliz de saber que a comunidade islâmica do Brasil não precisa de uma censura espúria (mesmo que decretada pela Justiça) para enfrentar aquilo de que não gostam.

Obrigado
Gutenberg J.

IMAGEM:
http://www.demotix.com/sites/default/files/imagecache/a_scale_large/1400-5/photos/1348460483-muslims-rallied-against-%22innocence-of-muslim%22---pangasinan_1473715.jpg

CENSURA, DINHEIRO E PODER. O SONHO NADA OCULTO DA ESQUERDA TOTALITÁRIA. O deputado federal José Guimarães (PT-CE) quer porque quer, controlar a imprensa. Ele não gosta da liberdade de expressão. Quem não gosta da liberdade de imprensa não gosta da liberdade.

"REGULAR A MÍDIA, QUER QUEIRAM, QUER NÃO QUEIRAM"
Tá bom, Zé. 


Leio no noticiário (26/09) que foi postado no site do PT um vídeo em que o deputado federal José Guimarães (PT-CE), irmão do réu do mensalão José Genoino, disse que depois das eleições o partido retomará o debate sobre a regulamentação da mídia, "quer queiram, quer não queiram".

Eu fico pasmo de saber que um deputado federal não saiba que a “mídia”, como a imprensa é chamada pelos esquerdistas já é absolutamente regulada pela Constituição Federal. Lá está gravado a fogo que no Brasil não haverá censura.

CONSTITUIÇÃO DO BRASIL

  • Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
    • V - o pluralismo político
  • Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vidaliberdadeigualdadesegurança e a propriedade, nos termos seguintes:
    • IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
    • VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
    • IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença
  • Art. 220º A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
    • § 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística. 


Para o deputado Guimarães,  "o partido está sendo alvo de uma "ação orquestrada" dos meios de comunicação". "Passadas as eleições, nós do PT vamos tomar uma medida quer queiram, quer não queiram. É a regulamentação da questão da comunicação no país. Vamos ter que enfrentar esse debate porque foi além do limite", declarou à imprensa. 

Noticiar o caso é ir além do limite? Acompanhar o julgamento é ir além do limite? Dar nome aos bois é ir além do limite? Ou é ir além do limite apenas quando o problema é com o governo e a base governista? Apenas santos nos governam?

O governo conta com a subserviência de centenas de pequenos jornais e emissoras de rádio dependentes de ajuda publicitária. Além disso, basta verificar, há uma rede de blogueiros oficialistas subsidiados por empresas públicas e ministérios. E ele fala em ação orquestrada. 

Quando crimes são investigados pelas polícias e pela promotoria pública e quando o Poder Judiciário julga tais processos, isso é orquestração? O Brasil é a terra da libertinagem? Os crimes de alguns são melhores que os crimes de outros? 

Não vejo qualquer ação orquestrada. Ocorre que o Brasil é grande, tem 200 milhões de habitantes, há boa parte da população bem informada, estamos conectados ao mundo e não seremos levados como manada ou boiada ao matadouro. 

NÃO SOMOS MANADA, SOMOS LIVRES.


ESQUERDA NÃO É UNGIDA

Um dos maiores pecados da esquerda é o fato de ver-se como algo especial, um grupo à parte da Humanidade, os iluminados que receberam a missão divina de conduzir o povo (os tolos) ao paraíso.

No caso do Brasil, essa missão quase divina coube ao PT, partido parido no interior da CNBB, com a complacência da Santa Igreja. 

Nunca me pareceu que juntar marxismo com cristianismo resultasse em alguma coisa boa. Para dirimir dúvidas, recomendo o livro do esquerdista Luis Mir, "O Partido de Deus" (no qual analisa a genealogia do PT). Um livro bastante honesto e criterioso. 

O vídeo de Guimarães pretender ser uma resposta à reportagem da revista "Veja" que publicou afirmações do empresário Marcos Valério destacando a atuação de Lula no mensalão. Guimarães ganhou destaque nacional em 2005, quando seu então assessor foi detido no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com R$ 200 mil numa mala e US$ 100 mil escondidos na cueca.

Segundo se deduz de todo o noticiário sobre todos aqueles escândalos e o Mensalão é que é preciso dinheiro para controlar os que podem atrapalhar. Essa é a tese da PGR. Com o silêncio e a concordância de congressistas, o partido governista não encontraria mais limites para impor seu programa esquerdista, de viés totalitário. 

Sempre para o bem de todos, é claro. 

IMAGEM DE BOIADA

BYE, BYE, PROTÓGENES! “Não há censura no Brasil”, diz o ministro da Justiça sobre a intenção de censurar o filme Ted demonstrada pelo deputado federal do PC do B –SP.




Que coisa chata. Quase degradante. Um senhor, com formação universitária, formado em Direito, delegado da Polícia Federal, legislador (pois é deputado federal) esquecer-se de ler a Mãe de todas as leis, a Constituição.

Foi necessário o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, lembrá-lo, após indagado pela imprensa, de que “a censura é proibida no Brasil” e, por isso, não há hipótese de o governo suspender a exibição no país do filme “Ted.”

É curioso, mas mesmo em um estado democrático de direito, pluralista, sucessor de uma ditadura (na qual os esquerdistas sempre pediram o fim da censura) persiste a  mania de se pedir censura para qualquer coisa que não seja conforme nossos princípios.

A esquerda, especialmente o PT, tem dado constantes demonstrações de não conviver bem com a liberdade de expressão e de imprensa. O partido sempre procura condicionar a liberdade a algum adjetivo, como faziam os velhos marxistas com a própria democracia.

Democracia é liberdade. Para os “erros”, como diria Lula referindo-se a crimes, há o Código Penal.  

IMAGEM DE TED
http://www.filmofilia.com/wp-content/uploads/2012/04/Ted_Movie_Photo_08.jpg